Encontrar gay sexo hoje à noite

Nós flertamos durante o dia e eu me enfiei no seu quarto à noite. Nós ficamos nos pegando por horas, mas sua barba estava me incomodando tanto que eu pedi que fosse raspá-la. Mulher procura homem para encontros em Lisboa ou Porto (idades 25 a 60) Na secção de encontros do vivalocal poderá encontrar: Gay passivo, gay activo, travesti, mulher madura, bisexual, mulher casada, homem jovem. O que seja que está à procura, encontrará no vivalocal. Realize os seus fetiches com uma amante sensual em Caminha, sem qualquer compromisso e com total discrição esta noite. Vanessa, Isa e Hana não têm tempo para conhecer parceiros nem paciência para DRs. Bem-sucedidas, poderosas e cansadas de relacionamentos tradicionais, procuram jovens atraentes, que não veem ... As Melhores Posições Sexuais Que Você Deve Tentar Hoje à Noite. As Melhores Posições Sexuais Que Você Deve Tentar Hoje à Noite. ... Se você está é mais lento e constante, rápido e furioso, gosta de posições anais ou sexo oral, você vai encontrar algo aqui para tentar esta noite. Na secção de encontros do vivalocal poderá encontrar: Gay passivo, gay activo, travesti, mulher madura, bisexual, mulher casada, homem jovem. O que seja que está à procura, encontrará no vivalocal. Realize os seus fetiches com uma amante sensual em Viana do Castelo, sem qualquer compromisso e com total discrição esta noite. Quem fica à espera, encostado na grade verde que cerca um prédio do local ou dentro do próprio carro, recebe o apelido de 'gavião'. Por estarmos em três mulheres, o que é incomum por ali, foi preciso passar pelo menos mais duas vezes para que os gaviões Rodrigo*, 32, e Tadeu*, 41, nos abordassem pela janela do veículo em que estávamos. Homem Procura Homem Anuncios Gratis Encontros. Os cookies ajudam-nos a fornecer, proteger e melhorar os serviços. Ao continuar a usar o nosso site, você concorda com a nossa Política de Cookies . 'Hoje em dia, existem apps para ... 'Se você também quer sexo, (a cidade) é um paraíso gay. Se você quer um relacionamento, isso talvez seja mais difícil'. ... Toda quinta-feira à noite ... Sexo com homem 50 a 60 anos por 100 P 09/23/2020 19:07 - Mulher Procura Homem - Nazar ... Jovem carente à procura de homem carinhoso P 09/25/2020 10:41 - Mulher Procura Homem - Lisboa. 33 Favoritos. 0 . Jovem carente procura homem carinhoso

Uma das melhores decisões que tomei foi começar a tomar remédio para depressão

2020.08.17 02:59 gimme-that-potato Uma das melhores decisões que tomei foi começar a tomar remédio para depressão

Olá, meus queridos.
Como o título sugere, venho aqui compartilhar minha experiência, pois acredito que possa acabar ajudando alguém aqui. No mais, vou poder pôr algumas ideias em ordem e poder dar uma desabafada. Tentarei ser breve, mas sei que não vai rolar rs, e acredito que meu texto não será tão linear.
O negócio é o seguinte: nunca fui apaixonado pela vida, de modo geral. Sempre fiz minhas coisas e tudo mais, mas essa tendência já me fez ficar para baixo (talvez algumas vezes depressivo) em algumas partes de minha vida. Nada disso me impediu de viver normalmente, sentir alegria, felicidade, paixão, correr atrás do que gosto, etc.
Acontece que ano passado estava em uma época braba. Havia terminado a faculdade, saído do emprego para prestar um concurso que não passei, e estava desempregado. Porra, estar desempregado é foda. A sensação de ficar em casa sem produzir é péssima.
Chegou uma hora que quis me cortar. Nada de suicídio, e nunca acreditei que pudesse fazer isso (apesar de estar com a constante sensação de querer nunca ter nascido), mas não deixa de ser um sintoma bem preocupante. Quando comecei a me dar uns pequenos cortes (escondidos), entendi que era hora de voltar pra terapia. Voltei para a mesma psicóloga que conheço há uns anos e confio bem.
Cabe aqui fazer um parênteses sobre depressão: há vários jeitos de melhorar esta doença. Contudo, tem um estudo recente que analisou a mistura entre dois tratamentos variados (ioga com psicólogo; meditação com psiquiatra; prática de esportes com meditação; etc.), e a melhor combinação de tratamento encontrada foi: acompanhamento psicológico junto com psiquiátrico. Não significa que tem que deixar outros tratamentos de lado, mas essa foi a melhor fórmula comprovada para combater.
Outra coisa: se você quer buscar um psicólogo, o que super recomendo, não importa a linha que ele ou ela segue. Freud, Lacan, Jung... nada disso importa. São ferramentas elaboradas para chegar em um mesmo objetivo. O que importa é você encontrar alguém que você vá com a cara. Alguém que você confie em desabafar. Não adianta conversar com um psicólogo pica das galáxias se você não se sente à vontade com ele.
Enfim. Começando a terapia, comecei a perceber diversos outros sintomas. Já não estava com a mesma concentração de antes. Me perdia no meio de frases. Estava me desconectando do mundo. Até atividades mais prazerosas estavam soando trabalhosas ou cansativas demais para mim. Meu prazer em coisas comuns, como comer algo bom, estava diminuindo. Foi a primeira vez que minha psicóloga sugeriu eu procurar um psiquiatra para me ajudar.
De início me senti mal, pois nunca tomei remédios para a cabeça. Mas depois veio um certo alívio: eu simplesmente estava doente, como uma gripe, e talvez precisasse só tomar um remédio. Você tem ideia de como é um alívio entender que sua mente te prega peças, e o motivo de você estar mal pode ser simplesmente algo fora de seu controle? Como uma mera desregulação hormonal, ou falta de algum receptor no cérebro, algo assim.
Falando com o psiquiatra, ele me passou um remédio relativamente novo, que, a grosso modo, estimula a produção de receptores de certos neurotransmissores na minha cabeça. Em outras palavras, ele estimula o cérebro a "captar mais prazer", ao invés de criar o prazer em si (como uma droga ilícita geralmente faz). Tanto é que é um remédio de tarja vermelha, e que não vicia (apesar de dar efeitos colaterais).
O início do tratamento foi bem ruim. O primeiro efeito colateral era a sensação de estar sonhando, ou na beira de uma grande ansiedade. Como se eu estivesse caindo, mas aquela sensação de "estar caindo" tivesse durando minutos. Isso me fez aprender a deixar rolar, sabe? Eu sabia que era um efeito do remédio, então não podia fazer nada, senão deixar acontecer, seguir com a maré. Eu diria até que eu pude aproveitar minha ansiedade. Sentia que era o remédio que me causava essa aceleração, mas que era ao mesmo tempo ele que me possibilitava ter esse "freio".
Outro efeito ruim foi o sono. Na verdade era mais uma vontade incontrolável de bocejar em si do que sono.
Como um outro possível efeito era falta de libido, óbvio que nos primeiros dias a primeira coisa que fui testar foi a masturbação. Confesso que foi bem difícil chegar no orgasmo, parecia que eu ia criar fogo com as mãos hehe. Por outro lado, um tempo depois minha libido até melhorou, pois minha depressão me fazia não querer buscar sexo. Minha namorada me apoiou durante tudo isso e entendeu, quando conversamos, que o sexo poderia piorar, o que felizmente não ocorreu.
Depois esses efeitos melhoraram (acredito que em até 2 semanas). O de sono e bocejo passou por completo, assim como o da ansiedade. Eu sentia que o remédio era um freio para minha ansiedade. Se eu fosse um carro, era como se o remédio colocasse uma trava na velocidade máxima. Sentia ele me ajudando.
Uma coisa que demorou para melhorar foi meu fluxo intestinal. Estava acostumado a ir ao banheiro todos os dias, às vezes até duas vezes (aqui cabe ressaltar que sou homem e, quando comecei a tomar o remédio no ano passado, estava com 26 anos). O remédio me fodeu com isso. Comecei a passar uns dias sem ir ao banheiro, ou ficar totalmente desregulado. Hoje, meses depois, isso já melhorou 100%.
Umas semanas depois comecei a ter um pouco de insônia, que até hoje vem e volta, mas nada que me atrapalhe.
Mas nada disso chega perto ao que o remédio me proporcionou: a capacidade de sentir prazer banal, no dia a dia, como ao ver um pôr-do-sol, ouvir uma música foda, ou comer algo gostoso. Hoje nem parece que eu tomo remédio. Faz parte da minha rotina: eu acordo, tomo meu comprimido, meu café, e sigo com o dia. Às vezes penso que deveria ter buscado um psiquiatra antes.
Claro que o tratamento é temporário. Eu sinto um pouco de falta de poder "curtir mais minha angústia" quando não tomava remédio, pois isso me ajudava a compor música ou escrever algo. Hoje me sinto melhor sabendo que estou mais pronto para terminar o tratamento (que demora no mínimo 6 meses, se não me engano até 2 anos). Também sei que, se voltar a ficar mal daquele jeito, tenho mais ferramentas para usar ao meu favor.
Se você está mal, não tenha vergonha de procurar um psiquiatra. Não coloque barreiras que não existem. Se você estivesse com febre, você iria no médico. Pode ser que sua depressão seja simplesmente uma reação física de seu corpo, e não uma mera falta de vontade (aliás, acho que nunca é, pois vontade de estar bem todo mundo tem). Até porque, uma pessoa com a vida 100% boa pode sofrer de depressão. Como falei, pode ser por algo idiota, como uma desregulação de seu corpo, algo hormonal, etc.
Pense nos remédios como uma rodinha extra numa bicicleta: ele vai servir de apoio para seu cérebro reaprender a andar sozinho, e, então, quando estiver pronto, vai poder andar ser as rodinhas.
Uma questão é que eu dei sorte. Um dos meu melhores amigos demorou uns bons anos para encontrar o remédio certo para ele. Ele tentou de tudo, várias terapias, e finalmente achou esse remédio (que é o mesmo que o meu, por coincidência), junto uma terapeuta de confiança. O cara até conseguiu assumir ser gay e hoje está namorando e feliz em um relacionamento, o que me deixa muito feliz.
Quando compartilhei essa história com outro amigo, ele confessou que estava tomando remédios para a ansiedade. Ele disse que era incrível poder sentir o prazer do presente ao andar de ônibus.
Comecei um trabalho novo em janeiro, e venho enfrentando altos e baixos por conta do isolamento da pandemia (não estar fazendo exercício vem ferrando com meu corpo). Mas sei que hoje tenho mais recursos para me cuidar. Ainda tomo remédio e faço acompanhamento psiquiátrico, e parei com a terapia pois não queria fazer online, embora eu ache que volte logo menos e faça por videochamada mesmo.
Enfim, espero ter ajudado alguém, ou ao menos estimulado a empatia, caso conheça alguém que esteja depressivo, ou com receio de começar a tomar remédios. Sempre fui muito mente aberta com muita coisa, inclusive terapia e psiquiatria. Mas ainda dava uma julgada com quem "parecia bem" e mesmo assim estava tomando remédio. Hoje vejo isso com mais empatia, pois nem todo mundo que parece bem está de fato bem. Quem sou eu para saber o que o outro sente, quando às vezes nem eu mesmo sei dizer o que sinto...
Se você tem algum amigo com depressão, ofereça seu apoio. Não julgue. Quando puder, insista na amizade. E não vomite suas próprias histórias. Não fale que "é falta de vontade", ou que é "frescura", ou que você conhece um "óleo essencial" para depressão. Às vezes a pessoa só precisa de alguém para desabafar, ou ao menos saber que você está lá para ela (como eu estive para esse meu grande amigo). Apesar de a tristeza poder ser um sintoma da depressão, depressão não é tristeza. Depressão é o oposto de vitalidade.
Por fim, deixo como dica de leitura o que acredito ser uma espécie de "guia definitivo" para a depressão (só não digo "definitivo" pois é uma área da ciência em constante evolução, e, CARAMBA, como eu sou grato por nascer nesta nossa época e não há 50 ou 100 anos, quando havia muito mais estigma e muito menos remédios...). Trata-se do livro O Demônio do Meio-dia, de Andrew Solomon. É um documento jornalístico que conta a história, em primeira pessoa, do escritor e sua luta para entender a própria depressão e a Depressão em si como doença. Nele há muito sobre questões emocionais, como os diferentes remédios funcionam, como a depressão afeta diferentes grupos de diferentes formas, etc. Foi o que me ajudou para ganhar conhecimento e lidar melhor com esse meu amigo (e, depois, lidar comigo mesmo). Esse mesmo jornalista faz um TED Talk muito bom aqui.
Obrigado a quem teve o saco de ler até aqui. Não sei se vou responder todas mensagens, mas tentarei. Se tiverem alguma dúvida, será um prazer tentar ajudar na medida do possível. Um grande abraço e tenha uma boa noite!
Edit: o remédio é Venlafaxina.
submitted by gimme-that-potato to brasil [link] [comments]


2019.08.26 18:42 Nocnil Dá uma ajudinha ai pato, sempre fui jogador do RPG, mas agora to mestrando, preciso de direções.

Dá uma ajudinha ai pato, sempre fui jogador do RPG, mas agora to mestrando, preciso de direções.

Khur, A Terra dos Humanos;
Capital: Khurzin; Cidadãos: Khurzões

Os humanos, com toda sua arrogância e egoísmo, e uma certeza de que eram superiores de alguma maneira às demais raças, tomaram para si as terras, que anteriormente fluíam de magia e diversidade, com massacres sanguinários que ficaram para sempre marcados na história, e nunca pararam de ser ecoados pelo mundo. Após a “conquista” dessas terras, a magia deslocou-se ao extremo leste, para que todo o sangue que ali foi derramado não a infectasse, mas ainda assim parte dessa essência de pureza foi infectada por todas as barbaridades que ali aconteceram. Os humanos orgulhosamente intitularam a terra de Khur, tornando a antiga capital, Dobrand, em Khurzin, O centro de todo o reino humano.
Fokmore, A Terra dos Anões;
Capital: Fo’kiu; Cidadãos: Fodões

Os anões, que antes viviam espalhados pela vasta região que hoje é chamada de Khur, durante o massacre na guerra contra os humanos, fugiram de sua terra natal e foram buscar refúgio no extremo sul, as regiões montanhosas foderam a perseguição e os humanos foram obrigados a recuar. Tomando a terra para si, os anões deram a ela o nome de Fokmore em homenagem a fodida que deram nos Khurzões.
Bu'ceton, A Terra da libertinagem;
Capital: Nova Tsagayan; Cidadãos: Kor’nus

As terras livres de Bu’ceton é o lugar onde pode-se fazer e encontrar de tudo, desde as mais diversificadas raças, até os mais estranhos fetiches sexuais. Assim, Bu’ceton não permite conflitos em seu território, tudo é resolvido com dinheiro ou uma noite de sexo. Os santos da Al’nal, os Kaba’çus das florestas, e até os Kuzões e Fodões não ousam quebrar a lei de paz e libertinagem de Bu’ceton. Dizem que a pena é pior que a morte.
Pin'talia, O Grande deserto, terra de Draconatos;
Capital: Fih’mosis; Cidadãos: Pintallhões

O grande deserto de Rêgus, as fontes de água que existem em Pin’talia em sua maioria veem de países vizinhos, com exceção dos poucos oásis que estão espalhados por todo seu território, no entanto, com a maior parte de seu território sendo apenas grandes dunas de areia, e terríveis remoharzes do deserto que vagueiam por lá.
Kaba'çus, Terra Élfica e a grande fonte Mágica de Rêgus;
Capital: Gay-nus; Cidadãos: Kabações

Terra natal de todos os elfos, e a grande fonte de magia de Rêgus, Kaba’çus nem sempre foi assim, de uma maneira misteriosa e que aconteceu juntamente com a grande guerra de Khur, as terras de Kaba’çus foram imbuídas em magia pura do dia para noite, aumentando drasticamente toda a magia que ali existia, fazendo com que as florestas de Kaba’çus crescessem de formas completamente exorbitantes, o que também fez com que todos os kabações tivessem uma grande afinidade com as florestas.
Al’nal, A Terra Santa;
Capital: Gon’orrêis; Cidadãos:

Através dos rituais Al’nais é que se começa a jornada dos religiosos em busca de poder, sabedoria e reconhecimento. Após purificar-se e escolher um deus para seguir, e devotar seus Al’nais a ele, pois é a partir disso que conseguiram bençãos, conselhos e um caminho.
Unknown, Terra Sem Lei.
Capital: Deep Water
Terra dos assassinos e ladrões, a escória da humanidade, onde um terrível monarca governa das sombras. Pois aquele que sua cabeça arrancar, governará sobre os assassinos. O Rei destruído é um mártir, uma recompensa, e um cruel domador de dragões.

E eu to passando por um problema, não só um, mas dois players foram infectados com licantropia, e eu não to sabendo muito bem como administrar essa maldição, pra deixar mais pra maldição do que como "toma buff de graça". Ajuda nós :)
O mapa do mundo ai
submitted by Nocnil to patopapao [link] [comments]


2019.08.12 07:24 echimenes SOBRE O LADO COMPLICADO DAS RELAÇÕES - HOMOAFETIVAS OU NÃO

Ok, isso é literalmente um desabafo. Acho que já passei da fase das reclamações - e essa nem seria a função desse grupo. Mas aviso desde já: história longa a frente.
Primeiro, vou contextualizar vocês:
Eu tenho 22 anos de idade. Formado em Contabilidade em uma universidade federal. Me considero bonito, tenho boas comunicações sociais no ramo profissional e já trabalho na minha área de formação a quase 2 anos.
Sou gay. Não assumido para familiares - não por escolha, mas simplesmente por que não me preocupo com o que vão pensar de mim. Eu sou o que sou e tenho pleno orgulho de mim. Não preciso ficar anunciando a ninguém. Quem já sabe, e algumas pessoas mais próximas a mim já sabem, me aceitam sem complicações ou preconceitos imaturos.
Sempre fui mente aberta, porém apenas me reconheço como homossexual a pouco mais de 3 anos. Morava em uma cidade minúscula até mudar definitivamente para a cidade onde a minha universidade se localiza, uma das maiores do estado. Aqui, terminei minha graduação e consegui um bom emprego. Viver com a minha avó, depois do falecimento da minha mãe aos meus 11 anos, me fez crescer livre, embora minha timidez excessiva na adolescência não me permitiu ser um cara de festas e baladas, ou bebidas e outras drogas lícitas. Não sou de muitos amigos até hoje, embora seja mais extrovertido do que jamais fui.
Gosto de escrever. Muito. Meu sonho é ganhar dinheiro escrevendo um dia, seja livros ou roteiros de novelas e filmes - confesso: eu penso alto, embora meus pés estejam bem firmes no chão. Sou nerd quando o assunto é ciências, filmes, séries, livros e coisas dessa área pop. Gosto de fazer amigos que curtam o mesmo que eu.
Agora vamos ao "problema":
Eu me apaixonei por um garoto. Um ano mais velho que eu. Nem um pouco nerd e de personalidade extremamente mais dominante, mais autoritária. Um cara mandão, do tipo que não aceita "nãos" como resposta para nada.
Eu, que cresci sendo mimado pelas mulheres da minha família, jamais pensei que fosse me desarmar por outra pessoa como aconteceu. De verdade, pensei que eu fosse ser um grande babaca quando encontrasse o amor da minha vida.
"Grande engano o seu!" - disse o coração.
Pois é, o amor veio. Jamais senti o que senti por ele quando nos conhecemos. Foi bem na época em que eu "soube" que gostava de garotos e esse cara literalmente me ensinou, me introduziu ao mundo LGBTQ+. E só Deus sabe o quanto eu adorei isso. Aprendi a perder o pouquinho de preconceito que eu ainda trazia comigo desde antes de me ver nesse meio. Ele cuidou de mim, me ajudou a me adaptar nessa nova cidade e me fez pensar estar num sonho.
Obs.: sem contar que tudo o que sei 'na cama', adivinhem? Foi ele também que me ensinou. Virgem até os 20. Pronto, falei.
Eu realmente espero que outros homossexuais que lerem esse texto se identifiquem com a minha história. Eu não acho que seja tão incomum assim passar pelo que eu passo.
Começamos a namorar. Eu conheci a família dele. Passei a frequentar muito sua casa e a dormir lá mais vezes do que eu dormia na minha própria durante a semana. Seis meses haviam passado e já fazíamos planos ousados de irmos morar juntos dividir um mesmo aluguel e um mesmo lar. Ter nosso próprio doguinho.
Logo quando encontramos nossa nova casa, com menos de um ano que nos conhecíamos, resolvemos fazer nossa "lua de mel". Compramos juntos uma viagem para o Nordeste, onde ele viu o mar pela primeira vez comigo - eu já havia visto antes, durante um Simpósio no sul em que fui com minha turma da faculdade.
Foi durante essa viagem que senti as coisas começarem a desandar. Eu soube desde o início que ele era obsecado por sexo. E não me entendam mal, eu também gosto, mas no caso dele - ser assumido desde muito pequeno, ter conhecido o mundo do sexo logo com seus 14 anos de idade e nunca ter sido muito controlado pela mãe que o criou para ter cuidado com esses assuntos, creio que isso mexeu com a cabeça dele -, imagino que isso o deixou ser mais guiado pelo lado irracional da coisa.
Eu sei que muitos casais passam por isso. Apimentar a relação, encontrar uma forma nova de fazer. De repente, um brinquedo ou um até mesmo um terceiro. Sim, hoje eu sei que isso é a coisa mais normal no mundo. Não é um bicho de sete cabeças. Não é um BIG DEAL. É o ser humano. Somos nós. Cansamos do mesmo corpo, dos mesmos lábios, dos mesmos assuntos. Não tem a ver com amor. Tem a ver com adrenalina. Precisamos sempre de renovações, de viver novas aventuras. É maior do que nós. Pessoas desimpedidas passam por isso dia após dia. Mas chega a ser um tabu para os casais. E não estou falando apenas de homossexuais. Homens e mulheres se machucam o tempo todo quando chegam nesse estágio do relacionamento. É triste e desencorajador, mas devo dizer que para quem passa por isso, pode ser um grande ensinamento de vida.
Não sei se é por sermos dois homens ou se é por termos feito as coisas muito rápido, mas com menos de um ano de namoro, cansamos um do outro. O amor não diminuiu, pelo contrário, ainda é o mesmo. O que mudou foi a falta de novidade. Ele já tinha tido muito mais experiências do que eu. Havia passado por loucuras que rezo para nunca ter que passar. Mas eu, em termos, ainda sou um iniciante nesses assuntos. Ele queria mais do que isso.
Sugeri um terceiro. Sou MUITO mente aberta. A ideia não me magoou no início, embora tenha me assustado, confesso. Ele prontamente aceitou e aconteceu ainda nesse viagem. Minha primeira experiência a três, mas não a primeira dele, claro. Embora eu não tenho dito nada a princípio, isso mexeu comigo. Não soube como reagir. É estranho ver a pessoa que você ama com outro. Okay, eu deixei, eu permiti aquilo, mas quando aconteceu, fui invadido por um sentimento totalmente novo.
Depois da viagem, as coisas não melhoraram muito. Fizemos a "brincadeira" outras várias vezes, mas parecia não ser certo. Eu vejo pornografia online diariamente como todo garoto da minha idade. Isso nunca me afetou ao ponto do vício.
Então as desconfianças começaram.
Eu ia para o trabalho nos dias em que ele tinha folga e ficava imaginando o que ele estaria fazendo em casa. Ou com quem ele estaria. Vejam bem, não sou ciumento, mas eu já sabia do que ele era capaz por causa do sexo. Aliás, não se trata de ciúmes; é algo mais... ético. Poxa, somos um casal. Praticamente casados com alianças e tudo. Já fizemos ménage antes e não haveria por que pensar que pudesse haver traição no meio. Eu tinha esse sentimento dentro de mim - ainda tenho -, de querer conhecer alguém diferente, me envolver como me envolvi com ele. Sabem? Me sentir como me senti no começo com ele. Quando a chama da paixão era ardente e incontrolável. Mas não poderia deixar nada mesquinho aflorar de dentro de mim. Eu amo ele. Ponto.
E foi então que eu descobri. Eu já estava às vésperas de me formar na faculdade. Estava com emprego novo e tudo parecia correr as mil maravilhas. Eu soube através de um meio anônimo que ele estava saindo com outros caras. Não poderia dizer quantos, mas sabia que eram mais do que um. Meu mundo só não caiu por que sei me virar em situações de emergência. Sei alinhar meus pensamentos. Sei administrar o que é racional do que não é.
Não joguei nada na cara dele. Deixei as coisas fluirem. Continuei a trabalhar durante o dia e pegar o ônibus para ir a faculdade a noite. Nos finais de semana, eu limpava a casa e lavava nossas roupas. Por ter poucos amigos, praticamente não saia nas folgas.
Não demorou muito para eu também começar a sair com outras pessoas. As escondidas, claro. Era só sexo. Nada de contatos. Apenas satisfação da carne. Ele fez, por que eu não podia? Também sou jovem, bonito, por que bancar a Cinderela com a madrasta e as primas más? Podem me julgar a partir daqui, mas me senti revigorado. Senti a chama de novo. Não me senti me vingando, estava muito além disso.
As vezes ainda fazíamos nossos trios, mas com frequência menor do que antes. Então um dia, ele descobriu que eu também pulava a cerca como ele. O cara com quem eu havia saído numa folga minha em que ele trabalhou, não sei por qual motivo - talvez para ver o circo pegar fogo - mandou prints de nossas conversas para ele e aí... bem, não foi tão frio quando eu fui. Brigamos como nunca. Claro que já havíamos brigado antes por vários motivos diferentes - inclusive por sexo -, mas essa briga em especial foi a maior. Decidimos nos separar. Ele jogou varias hipocrisias na minha cara e eu, bem, eu aceitei. Foram sete dias sem nos vermos. Eu já estava pensando em me mudar para a casa de um primo até saber para onde iria, quando tivemos uma última conversa. Abri minha alma, expliquei o que eu havia feito e por quê. Lembram do que falei sobre não aceitar "nãos" como resposta? Pois é, isso vale para não aceitar que a culpa recaia sobre você também. Foi uma conversa difícil. Tínhamos um cachorro para cuidar. Uma casa alugada com um contrato de aluguel ainda longe de vencer e dívidas contraídas juntas para liquidar. Talvez tenha sido a junção de tudo isso, daquela dívida moral que eu sempre vou ter com ele por ter me ajudado tanto no começo, mas reatamos.
Continuamos juntos, embora elefantes ainda caminhem pela nossa casa. Eu sei perdoar. Já perdoei várias coisas e pessoas antes dele. Não guardo mágoas, pois sei dos malefícios que se dão com isso. Não gosto de atmosféras tóxicas dentro de um relacionamento, seja ele amoroso ou não.
Agora, sinceramente já não ligo para as folgas dele. Não ligo para o fato de quantos caras ele vai levar para a nossa cama enquanto eu Não estou por perto. Eu sou mente aberta ao extremo. Talvez se ele tivesse me pedido antes de fazer, eu tivesse deixado. Não estou decepcionado e não me sinto traído. Não choro por isso a noite depois que ele já dormiu. Minha consciência está, acreditem vocês, tranquila. Certa vez, num banheiro público, li a seguinte frase:
"Você tem certeza que não está colocando vírgulas ainda deveria estar colocando pontos finais?"
Pois é, eu sei que estou colocando vírgulas. Muitas. Sinto que metado de mim iria embora no momento em que nos separassemos definitivamente. Pois mudei muito depois que o conheci.
Mudo a cada dia estando perto dele e sabendo do que aconteceu. Me sinto preso. Preso em algo que já parou de andar. Isso me faz querer me odiar, mas eu também tenho amor próprio. Ou será que acho que tenho por pensar assim e fazer algo totalmente diferente?
Eu sou um garoto e a outra pessoa também é. Somos um casal homossexual vivendo num país predominantemente homofóbico e intolerante. Mas eu sei que essa minha história é a mesma que muitos outros casais vivem ou já viveram por aí. Eu amo esse cara. Amo ao ponto de ainda estar com ele depois de tudo. Amo ao ponto de saber que estaríamos melhor separados. Mas me faltam forças para dar esse passo.
submitted by echimenes to desabafos [link] [comments]


MC YSA - HOJE QUE EU VOU BROTAR NA SUA BASE [2F CDD] RESPOSTA MC ALYSSON 16 DESAFIOS CEREBRAIS, TRUQUES FÁCEIS E TRÍVIAS PARA CONFUNDIR A SUA MENTE Programa Sem Vergonha - Sexo Cristão FALTA DE SEXO FAZ MAL? Son D' Play Que Horas Passo Aí? YouTube Hoje a noite não tem luar  Renato Russo  Legião Urbana ... Swing Brasilia Cabaré no Barco 07/05

20 homens gays contam as histórias de sua primeira vez

  1. MC YSA - HOJE QUE EU VOU BROTAR NA SUA BASE [2F CDD] RESPOSTA MC ALYSSON
  2. 16 DESAFIOS CEREBRAIS, TRUQUES FÁCEIS E TRÍVIAS PARA CONFUNDIR A SUA MENTE
  3. Programa Sem Vergonha - Sexo Cristão
  4. FALTA DE SEXO FAZ MAL?
  5. Son D' Play Que Horas Passo Aí?
  6. YouTube
  7. Hoje a noite não tem luar Renato Russo Legião Urbana ...
  8. Swing Brasilia Cabaré no Barco 07/05
  9. ANAl na GLOBO (total)

Só Pra Contrariar - Te Amar Sem Medo / Meu Jeito de Ser / Dói Demais (Ao Vivo) Curti Comenta Compartilha Inscreva-se Letra: Eu vivo num mundo de putaria, Onde cadela e patrícia vicia, E traição é o primeiro item do cardápio! Aqui é Son D'Play! (Refrão) Que ... E hoje a noite eu quero fuder contigo ... Hoje que eu vou brota na tua base fumar um e ficar suave Na onda que o bagulho é de verdade ... Hoje que tu brota na minha base vai rolar sexo a vontade ... Cena Luana Xavier- Sexo e As Negas- TV Globo- 2014 ... Balanço Geral Curitiba AO VIVO Assista à íntegra de hoje - 12/03/2020 Balanço Geral Curitiba 360 ... Hoje a noite se prepare... Você vai sobreviver hoje à noite? Um enigma emocionante na fuga para os solucionadores mais talentosos. 05:20 - Aproveite este passo a passo em instruções sobre 'como fazer truques de mágica'. ACESSE O SITE: www.swingdf.com e veja os melhores eventos liberais da Capital. ⛴CABARÉ NO BARCO 07/05 Uma noite extremamente luxuosa com requinte e glamour que você merece, ao lado da 3 ... Hoje no QG resolvi responder uma pergunta que vivo lendo aqui nos comentários: Falta de sexo faz mal? Vem comigo descobrir! Contato comercial e parcerias: [email protected] ----- Sparkle ... Pq HÉTEROS fazem PORNÔ GAY? 🤔 DIEGO SANS fez PORNÔ com a IRMÃ? 😱 - Identidade - Põe Na Roda - Duration: 9:52. Põe Na Roda 741,423 views Siga-nos em nossas redes sociais: https://linktr.ee/jcrevestimentos Que Deus abençoe à todos! - - Legião Urbana Renato Russo Ela passou do meu lado 'Oi, amor...